Casas do futuro – Cozinha do futuro

Casas do futuro – Quem é que nunca se entusiasmou ao pensar no futuro e quis morar na casa dos Jetsons quando era criança? A antiga série animada idealizada pelos estúdios Hanna-Barbera entre as décadas de 1960 e 1980 fez com que gerações pensassem em tecnologias voltadas às tarefas domésticas e do dia a dia. Hoje em dia, as inovações da internet das coisas (como o novo protocolo de internet iPv6) e as tecnologias vestíveis estão em alta. Mas, afinal, como será a casa do futuro?

Automação nas casas do futuro

Uma coisa que não deverá faltar nas casas do futuro é uma grande dependência e interação com a tecnologia – as novas e as idealizadas nos desenhos animados. Automação será a palavra de ordem, já que quase todas as funcionalidades de uma casa podem ser controladas a partir do seu smartphone, computador, tablet ou qualquer outro gadget, sem a necessidade de fios – WiFi e radiofrequência. Desta forma, não será necessária uma grande infraestrutura para automatizar a sua casa. As tecnologias empregadas será adaptáveis ao que já existe.

Os sistemas de automação residencial já são uma realidade em muitos países, no entanto, ainda caminham a passos lentos no Brasil e em Portugal. Especialistas garantem que até 2020, estes sistemas irão tornar-se muito mais populares nas grandes cidades destes dois países e ao redor de todo o mundo.

Casas do futuro – Espelhos do futuro

Iluminação, controlo da luz natural proveniente das janelas, aparelhos eletrónicos, consumo elétrico, sistemas de segurança, sistemas de comunicação e de telefonia, e muito mais: tudo isto já é possível de controlar através de alguns simples comandos do seu smartphone ou de qualquer outro gadget ligado à rede da internet das coisas. Você pode até controlar a sua casa a partir de qualquer lugar do mundo. O que falta, apenas, é que estes sistemas de automação cheguem ao grande público.

Os sistemas de automação funcionam por radiofrequências e comunicam entre si, sendo cada um destes elementos um módulo, que, por sua vez, estão conectados a uma central. Para que tudo funcione de forma correta, basta que os dispositivos de controlo estejam todos ligados à mesma rede, sendo que as informações de comando e as condições dos aparelhos electrónicos da casa são armazenadas na nuvem. Desta forma, é possível controlar tudo através de um único aparelho que esteja conectado à rede.

Automação e segurança

Outra vantagem da automação residencial é a segurança, uma vez que o utilizador pode controlar o estado da casa e dos aparelhos electrónicos pela internet. Esqueceu-se do ferro de passar ligado? Não há problema, basta desligá-lo com um clique no seu smartphone. Constatou um princípio de incêndio? Você pode acionar o sistema de combate às chamas. Está numa viagem longa? Pode controlar tudo o que ocorre em sua casa através de câmeras internas conectadas à internet. Para cada problema, há um sistema pensado para o resolver.

Sustentabilidade e economia

Algo que está em evidência e deverá ser ainda mais frequente nas casas do futuro é a questão da sustentabilidade. Por exemplo, os materiais utilizados nos sistemas de iluminação (artificial e natural) poderão ser idealizados a fim de provocarem um menor impacto ao meio ambiente e, até mesmo, de forma a serem mais económicos do que os sistemas atuais. O controlo do consumo energético da casa é outro aspeto que diz respeito à sustentabilidade e que já existe no mercado, embora ainda não tenha chegado à maioria das casas brasileiras e portuguesas.

Casas do futuro – Tecnologia que mudará a sua vida

As empresas de tecnologia sustentável também têm investido em projetos de geração de energia doméstica, ou seja, uma casa autossustentável. Painéis solares já são muito populares em diversos países, mas imagine, por exemplo, um piso cinético, capaz de transformar os seus passos em energia elétrica? E que tal um sistema de climatização sem aparelhos de ar condicionado? O mais incrível é que muitos projetos de casas do futuro, como os já mencionados, são financiados ao redor do mundo por iniciativas de crowdsourcing, em que entusiastas de tecnologia podem financiar coletivamente os projetos. É o que acontece através do projeto NO.V.A (Nós Vivemos o Amanhã), no Rio de Janeiro.

Inteligência artificial

Talvez este seja o tópico que mais chame a atenção nas casas do futuro: a inteligência artificial. No entanto, é também um dos grandes desafios para os seus idealizadores. A ideia é que o “cérebro” da casa reconheça gestos e vozes, que serão depois identificados e interpretados por uma espécie de assistente virtual – solicitar ligações, pedir que a iluminação diminua ou aumente através de comandos de voz, controlo dos horários dos medicamentos e das atividades das crianças ou, até mesmo, da sua agenda de trabalho. Você já deve ter visto algo parecido em filmes de ficção científica, mas esta é uma realidade que está mais perto do que muitos imaginam.

Confira outras inovações quanto às casas do futuro e novidade sobre o projeto NO.V.A, citado neste artigo.