E-skin LED superfino transforma a sua pele num display digital

Produzido no Japão, o protótipo da chamada e-skin pode ser utilizado como o futuro das pulseiras fitness, podendo ser um possível sistema para controlar a quantidade de oxigênio no sangue. Conheça, neste artigo, o LED superfino que transforma a sua pele em um display digital sem que atrapalhe a sua movimentação. Confira!

Esta tecnologia, conhecida atualmente como e-skin, é um dispositivo produzido com a finalidade de poder monitorar o oxigênio no sangue enquanto o utilizador se movimenta. A e-skin é constituída por um conjunto de LEDs e fotodetectores orgânicos, que possuem, aproximadamente, 3 micrómetros de espessura.

Foi na Universidade de Tóquio, no Japão, que alguns pesquisadores começaram a desenvolver esta tecnologia fascinante. A elevadíssima flexibilidade do gadget permite à e-skin ser extremamente resistente a quebras, apesar da sua reduzida espessura.

Finalidade da e-skin

Sendo direcionado, tanto para atletas, como para aqueles que são pacientes de hospitais, o protótipo da chamada e-skin tem despertado muita curiosidade entre os amantes da tecnologia ao redor do mundo. No entanto, o mais interessante de tudo isto é a capacidade da e-skin, através de um LED superfino, ser capaz de transformar a pele em um display digital sem que atrapalhe a movimentação do usuário.

O protótipo desta tecnologia ainda está em desenvolvimento e a ser testado. Devido a isto, as suas ferramentas e funcionalidades ainda não são muito elaboradas.

Previsões para o futuro da e-skin

Atualmente, o protótipo da e-skin apenas consegue exibir no seu display uma letra ou um número, tudo isto com base na exibição de apenas 7 segmentos. Existem planos e estudos para melhorar esta ferramenta, principalmente no que diz respeito a novas funções e melhorias do display, de forma a ser possível exibir conteúdos mais complexos e detalhados no seu visor.

Outro ponto a ser relevado sobre a evolução do protótipo é a forma como o qual fica preso à pele. Os pesquisadores da Universidade de Tóquio estão a estudar novas possibilidades para aperfeiçoar o método de fixação à pele do utilizador.

Atualmente, a e-skin é presa à pele através de uma película adesiva. Os cientistas estão a tentar desenvolver uma nova forma que não utilize adesivos, um método que permita que o protótipo da e-skin possa ser fixado na pele autonomamente, sem ação ou efeito de terceiros.

Comercialização da e-skin

Ainda não se sabe ao certo quando é que o protótipo da e-skin deixará a sua fase de desenvolvimento e finalmente será comercializado. Outras questões, como valores e mais imagens do funcionamento e da montagem do protótipo da e-skin também ainda não foram divulgadas.

Muitas pessoas já estão ansiosas e aguardam loucamente o lançamento de mais um gadget de alta tecnologia japonesa.