Entenda a relação entre a publicidade e a privacidade nas redes sociais e tire as suas dúvidas

privacidade nas redes sociais

Muita gente se pergunta como as redes sociais geram rendimento para os seus acionistas, já que não cobram nenhum valor de assinatura dos usuários. A resposta é simples e está na publicidade. Aproximadamente 90% do faturamento do Facebook, por exemplo, é proveniente de anúncios publicitários digitais. Ou seja, as empresas pagam à plataforma para que o produto delas seja visto pelos usuários. Mas como isso afeta o usuário e sua privacidade nas redes sociais?

Como a publicidade interfere na privacidade nas redes sociais?

Quem utiliza as redes sociais, certamente, já reparou que os anúncios publicitários aparecem com frequência em meio às postagens do feed – e cada vez mais! Muita gente se surpreende ao se deparar com um anúncio de um produto que realmente estava precisando. E isso não é uma coincidência: são os anúncios segmentados das redes sociais que se utilizam de dados pessoais e demográficos captados pela rede para atingirem públicos específicos.

Uma das formas para que isso seja feito é através dos cookies, que são pequenos arquivos capazes de armazenar a nossa navegação dentro de um sistema, diferenciando e identificando o histórico de cada usuário. Com isso, os cookies podem rastrear o comportamento dos internautas no momento da navegação e gerar informações específicas sobre usos e costumes de cada usuário na internet.

Esses dados são repassados às empresas anunciantes, que fazem com que cada usuário seja impactado por anúncios personalizados nas redes sociais e nos sites, já que essas empresas conseguem acesso a informações privilegiadas sobre o que o usuário comprou na internet, o que mais pesquisou, quanto tempo ficou em cada site, a cidade de origem do acesso etc.

Veja apps para aumentar a segurança no iPhone

privacidade nas redes sociais

A Lei Geral de Proteção de Dados protege o usuário nesse sentido?

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) passou a valer em todo o território nacional em agosto de 2018 com o objetivo de proteger a privacidade e segurança de informação da população em diversos setores, incluindo a privacidade nas redes sociais. Os famosos cookies utilizados pelos sites, desde então, estão sujeitos às regras estabelecidas pela LGPD.

A chamada política de cookies dos sites precisa deixar bem claro ao usuário, logo na página inicial, quais são os cookies utilizados e pedir consentimento prévio para que os dados pessoais colhidos sejam enviados ao navegador para armazenamento. Em outras palavras, o site tem permissão para analisar a armazenar os seus dados, contanto que o usuário forneça autorização expressa. Além disso, a política de cookies do site deve estar disponível para que o usuário consulte a qualquer momento.

E quando acontece um vazamento de dados, o que o usuário pode fazer?

A Lei Geral de Proteção de Dados foi criada em vários países depois de episódios de vazamento de dados como o famoso escândalo da Cambridge Analytica, quando o vazamento de dados de milhões de usuários do Facebook teria favorecido o trabalho da agência na campanha de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, em 2016.

Na época, a agência cuidava do marketing digital da campanha de Trump e utilizou dados pessoais retirados sem autorização da plataforma para traçar o perfil psicológico dos eleitores, enviando conteúdo publicitário patrocinado de forma direcionada, na tentativa de influenciar na decisão daquele usuário.

Os vazamentos de dados, além de permitirem que as empresas se aproveitem do usuário, também podem favorecer atos criminosos. Recentemente no Brasil, milhares de dados vazaram de empresas de telefonia, deixando à mostra CPFs, nomes completos e datas de nascimento. Com esses dados, por exemplo, é possível abrir conta em alguns bancos digitais, abrir crediário em lojas e realmente prejudicar a vida do usuário financeiramente.

Para se proteger, é preciso trocar as senhas dos sites com frequência, evitar deixar cartões de crédito gravados nos e-commerces e monitorar sempre o site do Serasa ou SPC para ver quem consultou seu CPF e quando. Dessa forma, você fica mais protegido!

Saiba mais

Redes sociais para crianças e adolescentes – quais cuidados devemos tomar?

Redes sociais para empresas: em quais investir?